Papa Francisco 

O Santo Padre celebrou a Santa Missa, esta manhã, na Capela Santa Marta, no Vaticano. Entre os concelebrantes estavam o Cardeal Odilo Scherer, Arcebispo de São Paulo, o Cardeal Mauro Piacenza, Prefeito da Congregação para o Clero, acompanhado do seu Secretário e dos sacerdotes e funcionários do mesmo organismo.
Em sua reflexão, sobre a Liturgia do dia, o Papa frisou que “o único modo para receber, realmente, o dom da salvação de Cristo, é reconhecer a nossa fragilidade e nossa condição de pecadores, evitando toda forma de auto-justificação.
Por outro lado, o Santo Padre acrescentou: “Devemos estar cientes de que somos como um vaso de argila frágil, embora contenha um grande tesouro, que nos foi dado gratuitamente. Eis o que é o verdadeiro cristão, seguidor de Cristo! Mas, é precisamente na relação entre a graça e poder de Deus e nós, pobres pecadores, que brota o “diálogo da salvação”.
E, recordando a conversão de São Paulo, o Santo Padre diz que o Apóstolo passou de “perseguidor a perseguido”. Era pecador e se tornou santo. Foi por causa do seu pecado que ele entrou em pleno diálogo com Jesus, que o acolheu como pecador. A chave deste diálogo foi a sua humildade, explicou Papa Francisco:
“Eis o modelo de humildade para nós, padres, sacerdotes. Se nós nos vangloriamos apenas do nosso currículo e nada mais, estaremos errando. Não podemos anunciar Jesus Salvador porque, no fundo, não o sentimos dentro de nós. Mas, conseguiremos anunciá-lo somente com humildade”.

A humildade do sacerdote e do cristão, disse, por fim o Santo Padre, deve ser concreta. Temos dentro de nós um tesouro. Peçamos ao Senhor que nos ajude a ser um vaso de argila para podermos entender e transmitir o mistério glorioso de Jesus.

Por News.va

Anúncios