O Papa Francisco recebeu na manhã desta terça-feira, na Casa Santa Marta, no Vaticano, o responsável pelas Relações Exteriores do Patriarcado de Moscou, o Metropolita de Volokolamsk, Hilarion. Nesta quarta-feira (13), o alto expoente da Igreja Ortodoxa russa participará de um Simpósio organizado pelo Pontifício Conselho para a Família, intitulado “Ortodoxos e Católicos, juntos pela família”.

Enquanto o Papa recebia o Metropolita Kirill no Vaticano, o Patriarca da Igreja Ortodoxa recebia na sua residência no Mosteiro de Danilov, em Moscou, o Arcebispo de Milão, Cardeal Angelo Scola. Por ocasião do encontro, foram destacados conjuntamente alguns temas comuns do ‘crescente diálogo’ entre as duas Igrejas, como a defesa dos valores cristãos no Ocidente secularizado e das minorias religiosas no Oriente Médio, em particular na Síria.
O Patriarca Kirill reiterou que “nunca como hoje as nossas Igrejas têm tantas coisas em comum”, manifestando seu “aplauso” às ações do Papa Francisco “sobre tantos assuntos” – da crise na Síria à defesa dos cristãos e de outras minorias religiosas em todo o Oriente Médio – e auspiciando “um futuro para trabalharmos conjuntamente”. “Vivemos em uma época em que os nossos desgostos históricos devem cessar de desempenhar um papel crítico, afirmou o Patriarca. Agora temos muitos deveres e finalidades comuns”.
“Temos um campo de trabalho comum”, afirmou por sua vez o Cardeal Scola, fazendo eco às palavras do Patriarca Kirill. O Arcebispo de Milão destacou que “está nascendo um ecumenismo do povo”. ” O esforço conjunto de nossas duas Igrejas, especialmente a partir de 1979 – acrescentou – cresceu graças ao diálogo ecumênico que nunca escondeu as diferenças, mas que é capaz de superá-las, afirmando o valor da nossa unidade”.
O Cardeal Scola partilhou a preocupação com a perseguição aos cristãos no Oriente Médio, “tema sobre o qual falamos muito pouco no Ocidente” e também pela liberdade religiosa na Europa, “onde muitas correntes de pensamento e práticas legislativas pensam que uma justa laicidade possa ser atingida somente neutralizando várias religiões”.
Este foi o terceiro encontro entre o Patriarca Kirill e o Cardeal Scola, que encontraram-se pela última vez em Veneza, quando Scola era Patriarca. Desde o cisma de 1054, por outro lado, não ocorre um encontro entre um Pontífice romano e um Patriarca Ortodoxo de Moscou.

 

Por news.va

Anúncios