A “grande preocupação” que suscitam as condições de vida dos cristãos no Médio Oriente, devido em particular às “tensões e conflitos” ali em curso – foi sublinhada nesta quinta-feira de manhã pelo Papa Francisco, recebendo no Vaticano os participantes na assembleia plenária da Congregação para as Igrejas Orientais, juntamente com todos os Patriarcas e Arcebispos Maiores das Igrejas Orientais do Médio Oriente, da Europa Oriental e da Índia, já recebidos anteriormente.
“Suscitam grande preocupação as condições de vida dos cristãos que em muitas partes do Médio Oriente sofrem de maneira particularmente forte perante as consequências das tensões e dos conflitos em curso.”
O Santo Padre mencionou expressamente a Síria, o Iraque e o Egipto e “outras áreas da Terra Santa”, onde se derramam muitas lágrimas. Uma situação que não pode ser esquecida. O Bispo de Roma (assegurou) não descansará enquanto houver homens e mulheres, de qualquer religião, feridos na sua dignidade, privados do necessário para sobreviver, sem futuro, constrangidos à condição de refugiados.
“Hoje, juntamente com os Pastores das Igrejas do Oriente, fazemos apelo a que se respeite o direito de todos a uma vida digna e a professarem livremente a própria fé. Não nos resignamos a pensar o Médio Oriente sem os cristãos, que desde há dois mil anos ali professam o nome de Jesus, inseridos – como cidadãos a pleno título – na vida social, cultural e religiosa das nações a que pertencem”.
Esta assembleia plenária da Congregação para as Igrejas Orientais, que se conclui amanhã, tem como tema “As Igrejas Orientais Católicas, a 50 anos do Concílio Ecuménico Vaticano II” e contou com a presença de todos os Patriarcas e Arcebispos das Igrejas Orientais Católicas, não só no Médio Oriente mas também na Europa Oriental, na Índia e nas respectivas comunidades da diáspora.
Esta manhã, às 8 horas, numa capela da basílica de São Pedro, o Cardeal Sandri, Prefeito da Congregação das Igrejas Orientais, concelebrou com os membros da assembleia plenária, com a participação de representações dos Colégios e Instituições Orientais de Roma, para invocar o dom da paz e da reconciliação na Terra Santa, no Iraque, no Egipto e em todo o Médio Oriente.
Aos Patriarcas e Arcebispos Maiores das Igrejas Orientais Católicas, recebidos esta manhã, o Papa Francisco pediu um testemunho credível no exercício do ministério e na administração dos bens.
“Para que o nosso testemunho seja credível, somos chamados a procurar sempre a justiça, a piedade, a fé, a caridade, a paciência e a mansidão; a um estilo de vida sóbrio, à imagem de Cristo, que se despojou para nos enriquecer com a sua pobreza; ao zelo incansável e àquela caridade ao mesmo tempo paterna e fraterna, que os Bispos, os presbíteros e os leigos, especialmente quando vivem sós e marginalizados, esperam de nós.”
Evocando especialmente o caso dos padres “carecidos de compreensão e apoio, mesmo a nível pessoal”, o Papa insistiu sobre o “bom exemplo” que todos têm o direito de esperar dos mais responsáveis, e isso em todas as actividades eclesiais. O que significa nomeadamente “transparência na gestão dos bens e solicitude para com todas as fraquezas e necessidades”. Concretizando sempre “aquela autêntica prática sinodal que caracteriza as Igrejas do Oriente”.
Os Patriarcas e Arcebispos Maiores das Igrejas Orientais almoçaram hoje com o Papa Francisco, na Casa de Santa Marta. Eram eles:
o Patriarca de Antioquia dos Maronitas (Líbano) – cardeal Boutros Rai;
o Patriarca de Alexandria dos Coptas (Egipto) – Ibrahim Sidrak; o Patriarca de Antioquia dos greco-Melquitas Católicos – Gregório III Laham;
o Patriarca de Antioquia dos Sírios – Youssif III Younan; o Patriarca de Babilónia dos Caldeus (Iraque) – Louis I Sako;
o Patriarca de Cilícia dos Arménios – Nerses Tarmouni; o Arcebispo Maior da Igreja Sírio-Malabar (ìndia) – cardeal Alencherry;
o Arcebispo Maior de Alba Julia (Roménia) – cardeal Muresan; Arcebispo maior de Trivandum dos Sírios-malankareses (ìndia) – card. Thottunkal; o Arcebispo Maior de Kiev (Ucrânia) – Shevchuk; e finalmente
o Patriarca Latino de Jerusalém – Fouad Twal.

Foto: Papa em reunião com estes Patriarcas e arcebispos maiores, nesta quinta-feira, no Vaticano

Por news.va

Anúncios